quinta-feira, 19 de novembro de 2009

O ATO DE ROER AS UNHAS


Roer as unhas é um hábito compulsivo também conhecido como onicofagia que se manifesta quando um indivíduo se encontra em situação de estresse, nervosismo, tédio ou de ansiedade, mordendo as unhas das mãos ou dos pés até que sangrem.

O hábito de roer as unhas é iniciado a partir dos três anos de idade e se manifesta todas as vezes que a criança se depara com algo novo. A partir da adolescência, o hábito passa a ser mais compulsivo, pois nessa fase ocorre maior incidência de nervosismo e ansiedade nos mesmos.
Tal hábito, apesar de existir como forma de descarregar a ansiedade existente, pode provocar prejuízos à saúde corporal. Os dedos ao serem levados à boca transportam germes, vírus, fungos e bactérias que se localizam abaixo da unha que podem provocar algum tipo de dano à saúde e ainda provocar má oclusão dos dentes. A constante busca por roer as unhas desgasta o esmalte dos dentes fragilizando-os em relação a cáries. Apesar de trazer complicações, o hábito acaba com a beleza das unhas e conseqüentemente das mãos.
Por ser um hábito compulsivo de ordem emocional, existem tratamentos para que o indivíduo perca tal hábito, como terapia comportamental que auxilia na reversão do hábito com técnicas para desacostumar o indivíduo a levar a mão ou o pé até a boca, medicamentos como antidepressivos, antipsicóticos e ainda complexo B, técnicas de relaxamento, exercícios físicos e respiratórios e ainda terapias de aversão ao hábito que utiliza substâncias de gosto ruim sobre as unhas, a substituição das unhas por algum outro objeto ou substância.






Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário